1-

P.: Quem é a Versah?

R.: A Versah, LLC é uma organização fundada em 2014 e estabelecida em Michigan, EUA. Nosso Presidente, CEO e Fundador é o Dr. Salah Huwais, cirurgião periodontista em Jackson, Michigan. A missão da Versah, LLC é comercializar dispositivos odontológicos de alta qualidade para profissionais da odontologia, baseados em uma nova tecnologia de fresagem denominada “osseodensificação”.

2-

P.: A Versah é filiada à alguma companhia de implantes?

R.: Não. Somos fabricantes independentes. Nossas brocas podem ser utilizadas com equipamentos padrão, assim como com todas as opções de implantes disponíveis no mercado.

3-

P.: Como posso contatar a Versah?

R.: Clique aqui para entrar em contato conosco.

4-

P.: Onde posso comprar os produtos Versah?

R.: Para pedidos no Brasil clique aqui para entrar em contato conosco.

5-

P.: Quais são os valores dos produtos Versah?

R.: Clique aqui para entrar em contato conosco e consultar valores de venda.

6-

P.: Para instalar implantes cônicos, é necessário ter o Kit Densah™ completo?

R.: O conjunto Densah™ VT5 composto por quatro brocas cônicas com aumento gradual de espessura será suficiente para aplicações de implantes com diâmetro final X.5, X.7 e X.8. Enquanto o conjunto de brocas Densah™ VT8 servirá para implantes com diâmetro final X.0, X.2 e X.3. Em região de osso mais denso (Tipo 1 e Tipo 2) é recomendável proceder com a expansão utilizando variações de diâmetro menores, alternando entre brocas VT5 e VT8. O Kit completo Densah™ inclui todas as brocas VT5 e VT8, além dos modelos VS8 para acabamento e instalação de implantes cilíndricos.

7-

P.: Para instalar implantes cilíndricos, utilizarei apenas o conjunto de brocas VS8?

R.: O conjunto Densah™ VS8 composto por quatro brocas "finalizadoras" servirá para a colocação de implantes cilíndricos. Entretanto, as brocas VS8 devem ser utilizadas juntamente às brocas VT5 e VT8, para que seja possível concluir todas as etapas da ósteotomia. Em região de osso mais denso (Tipo 1 e Tipo 2) é recomendável proceder com a expansão utilizando variações de diâmetro menores, alternando entre brocas VT5 e VT8. Para procedimentos com implantes cilíntricos, o profissional deve preferir o Kit Densah™ Completo, que inclui todas as brocas VT5 e VT8, além dos modelos VS8 para acabamento e instalação de implantes cilíndricos.

8-

P.: O que são as Brocas Densah™?

R.: As Brocas Densah™ baseiam-se em um nova tecnologia para a preparação de osteotomias, a qual batizamos de "osseodensificação". Ao contrário das técnicas de fresagem convencionais, a osseodensificação não escava tecido ósseo. Ao invés disso, o tecido ósseo é simultaneamente compactado e auto-enxertado, na direção apical e nas paredes da osteotomia que está se formando. Os resultados são um pouco semelhantes à técnica tradicional aplicada com osteótomo e martelo, mas sem os traumas resultantes dos golpes e outras limitações. Quando a broca Densah™ é rotacionada em alta velocidade, no modo reverso não-cortante, com irrigação externa constante, uma camada consistente de tecido ósseo densificado se forma ao longo das paredes e base da osteotomia. Este tecido ósseo densificado garante maior estabilidade primária, aumenta o limite de torque e pode acelerar o processo de osseointegração.

9-

P.: Como as Brocas Densah™ funcionam?

R.: As lâminas de tecnologia exclusiva Densah™ criam e expandem osteotomias sem escavar quantidades significativas de tecido ósseo através de um procedimento único, altamente controlável, rápido e eficiente com mínima elevação de calor. No modo de densificação, a pressão aplicada no sentido descendente juntamente à irrigação constante, cria uma suave onda de compressão hidrodinâmica dentro da osteotomia, o que gera uma camada forte e densificada de osso em toda a área circundante, enquanto ao mesmo tempo expande plasticamente a crista óssea. O design cônico permite ao cirurgião modular a pressão e a irrigação, ao mesmo tempo em que fornece um feedback háptico em tempo real, o que torna a broca Densah™ intuitiva para todo implantodontista experiente. As brocas Densah™ também podem rotacionar no sentido horário, desempenhando função de corte como uma broca cirúrgica tradicional. Esta capacidade de uso duplo permite que o profissional qualificado prepare simultaneamente vários locais de osteotomia em diferentes condições de largura/osso, quer seja osseodensificando ou perfurando cada local sem remover a broca Densah® do motor da broca.

10-

P.: Preciso de implantes especiais para usar as brocas Densah™?

R.: Não. Você pode usar qualquer implante cônico ou reto que, de outra forma, escolheria para uma aplicação específica. Selecione o kit de brocas Densah™ correto com base no seu tipo e tamanho de implante preferido.

11-

P.: Quais pacientes são bons candidatos para procedimentos de osseodensificação?

R.: Todo paciente apto a receber um implante dentário é um bom candidato à osseodensificação. As brocas Densah™ promovem densificação óssea, aumentando significativamente a estabilidade primária de implantes em todos os tipos de osso (I-IV). Além disso, com as brocas Densah™, torna-se possível a expansão de crista sem necessidade de enxerto ósseo. Portando, pacientes antes inelegíveis, tornan-se candidatos adequados à instalação de implantes.

12-

P.: As propriedades biomecânicas da Osseodensificação são válidas?

R.: O Laboratório de Biomecânica Experimental da Lawrence Technological University em Southfield, Michigan, realizou um estudo de validação biomecânica e histológica da tecnologia de osseodensificação Densah™ em 2013-2014. O estudo concluiu que a osseodensificação aumenta a estabilidade primária e cria uma crosta de densificação ao redor da osteotomia, compactando e auto-enxertando osso autógeno ao longo de toda a cavidade da preparação.

Veja o resumo da pesquisa.

13-

P.: O procedimento de osseodensificação promovido pelas brocas Densah™ é mais doloroso que os convencionais?

R.: O desconforto relatado pelos pacientes é equivalente ao das perfurações com brocas tradicionais.

14-

P.: Qual a média de tempo empenhado em procedimentos de osseodensificação?

R.: A maioria dos cirurgiões ficam surpresos com a velocidade de avanço progressivo de cada broca Densah™. Diversos vídeos com procedimentos cirúrgicos reais foram enviados para o nosso site, o que pode dar uma compreensão real do quão eficiente é essa nova tecnologia. Osteotomias em ossos densos podem levar um pouco mais de tempo, pois é necessário alternar progressivamente as brocas VT5 e VT8 para alcançar o tamanho final da osteotomia.

Clique aqui para assistir aos vídeos clínicos.

15-

P.: Quais diferenças notarei durante o procedimento de osseodensificação?

R.: A principal diferença relatada é a sensação de pressão proveniente da técnica de modulação. O design exclusivo das brocas Densah™ combinado com a irrigação cria uma suave onda de compressão hidrodinâmica dentro da osteotomia. O cirurgião sentirá através de sua peça de mão o "push-back" desta onda de compressão hidrodinâmica e será capaz de controlar sua intensidade modulando a pressão exercida em sentido apical. Esse feedback háptico em tempo real permite que o praticante experiente encontre intuitivamente o ponto de pressão no qual o osso começa a se expandir plasticamente. O cirurgião então controla (isto é, modula) a pressão descendente de modo que a osteotomia continue expandindo de forma adequada.

16-

P.: Eu preciso de uma "perfuração piloto"?

R.: Sim. A formação de uma "perfuração piloto" padrão de 1,7mm na profundidade desejada deve preceder o uso da primeira broca Densah™ VT1525 ou VT1828. Nunca use uma broca Densah™ sem uma perfuração piloto de tamanho adequado.

17-

P.: Posso pular a progressão de brocas Densah™ recomendada quando instalar implantes em osso mole?

R.: Não. Mesmo em osso mole, a progressão recomendada deve ser seguida. Por exemplo: para implantes cônicos de 3,5mm, 3,7mm e 3,8mm de diâmetro, a progressão após a broca piloto de 1,7mm é VT1525, VT2535. Para implantes cônicos de 4,0mm, 4,2mm e 4,3mm de diâmetro, a progressão após a broca piloto de 1,7mm é VT1828, VT2838. Esta sequência permite que a expansão plástica e a osseodensificação ocorram com eficiência máxima.

18-

P.: Onde posso encontrar treinamento para utilizar as brocas Densah™ de forma adequada?

R.: Novos cursos e imersões estão constantemente sendo desenvolvidos, então, por favor, verifique periodicamente o nosso site e redes sociais para encontrar oportunidades de treinamento próximas a você.

19-

P.: Posso eliminar a etapa de aumento de crista antes da colocação do implante?

R.: Com o sistema Densah™, você poderá colocar um implante utilizando o protocolo "Plus1™". Este protocolo pode permitir a colocação de um implante com diâmetro até 1mm maior que a crista pré-cirúrgica, sem a necessidade de aumento. Por exemplo, o sistema Densah™ Bur pode permitir a colocação de um implante cônico de 3,7mm a 4,0mm em uma largura mínima de 3mm. Um implante de 5mm pode ser colocado em uma crista de 4mm. E um implante de 6mm pode ser colocado em uma área de 5mm.

20-

P.: Qual torque de inserção máximo devo esperar com o processo de osseodensificação?

R.: Dados clínicos iniciais mostraram que os implantes colocados com o sistema de brocas Densah™ podem atingir um pico de torque de inserção de 40-85Ncm.

21-

P.: Em quanto tempo o implante poderá receber carga??

R.: Os dados clínicos iniciais mostraram um aumento na estabilidade total do implante durante a cicatrização, o que pode permitir um período de espera mais curto para aplicação de carga. Observe as indicações para uso do sistema escolhido e siga a recomendação do fabricante.

22-

P.: Que tipos de equipamentos são necessários para a utilização das brocas Densah™??

R.: Qualquer motor cirúrgico e peça de mão comercialmente disponível que seja capaz de operar nas direções para frente (sentido horário) e reverso (sentido anti-horário), que possa atingir pelo menos 1200rpm com torque de 5-50Ncm em ambas as direções, funcionará com o sistema de brocas Densah™.

23-

P.: É necessário irrigar o local da osteotomia durante o procedimento de osseodensificação?

R.: Sim. É necessário manter um fluxo constante e abundante de fluido de irrigação estéril no local da osteotomia durante todo o procedimento. Sem irrigação abundante, o risco de superaquecimento e necrose é alto. A irrigação é necessária para facilitar a expansão plástica do tecido ósseo.

24-

P.: As brocas Densah™ são reutilizáveis?

R.: As brocas cirúrgicas devem ser substituídas quando estiverem gastas ou corroídas. A Versah™ recomenda a substituição de brocas cirúrgicas Densah™ após 12-20 osteotomias [01]. Recomenda-se ter um kit reserva de brocas Densah™ à mão no caso de uma eventual troca fazer-se necessária durante procedimento cirúrgico.

[01] Heat Production by 3 implant drill systems after repeated drilling and sterilization. Chacon GE, Bower DL, Larsen PE, McGlumphy EA, Beck FM. J Oral Maxillofac Surg. 2006 Feb:64(2):265-9.

25-

P.: Minhas brocas Densah™ podem ser reafiadar ou recondicionadas?

R.: Infelizmente, as condições de fabricação necessárias para alcançar o desempenho exigido de nossas brocas são tão precisas que não é possível refazer a afiação. Por favor, descarte as brocas Densah™ usadas que tenham atingido o final de sua vida útil de maneira segura e responsável.

26-

P.: As brocas Densah™ podem ser usadas com guias digitais para instalação de implantes?

R.: Neste momento, as brocas Densah™ não são compatíveis com nenhum sistema de guia de colocação de implantes. Estamos, no entanto, buscando adaptar nossos produtos à guias digitais e esperamos ter uma oferta nesta categoria em breve.

27-

P.: Qual é a diferença entre as brocas Densah™ e os expansores rotatórios?

R.: Ao contrário das brocas Densah™, os expansores não podem ser utilizados ​com rotação de alta velocidade (800-1500 RPM). Eles devem ser usados ​​apenas com rotação de baixa velocidade (20-50 RPM). Além disso, a taxa de expansão é diretamente proporcional e dependente da taxa de rotação, que é controlada apenas pela velocidade do rotor. Isso limita o controle cirúrgico, pois, com um pouco mais de força, o osso pode atingir rapidamente seu limite de fratura. As brocas Densah™ são projetadas para desvincular a taxa de rotação da taxa de expansão e assim garantir o controle cirúrgico. A otimização da plasticidade óssea utilizando a osseodensificação pode reduzir o risco de fratura óssea vestibular.

28-

P.: Posso utilizar minhas brocas convencionas, em modo reverso, para replicar o protoloco de osseodensificação Versah™?

R.: Ao contrário das brocas convencionais, as brocas Densah™ são especialmente projetadas para o protocolo de osseodensificação da Versah™. As brocas Densah™ proporcionam uma operação suave e sem vibração na rotação reversa de alta velocidade (800-1500 RPM), com objetivo de otimizar a plasticidade óssea e expandir uma osteotomia com praticamente nenhum risco de dano ósseo e com o mínimo de desconforto ao paciente. Além disso, as brocas Densah™ são projetadas para auto-enxertar as partículas ósseas ao longo da osteotomia. Ao contrário das brocas Densah™, modelos de brocas convencionais não são projetados para funcionar em rotação reversa de alta velocidade. Portanto, existe um risco significativo de a broca convencional produzir muita vibração quando rotacionada em sentido reverso, o que pode aquecer excessivamente o osso se o cirurgião aplicar força axial excessiva. Por favor, não use nosso protocolo com brocas convencionais. As brocas Densah™ são as únicas brocas de perfuração óssea no mercado projetadas para a osseodensificação.

29-

P.: Preciso me preocupar com o Alto Torque de Inserção (IT), obtido com a osseodensificação usando o sistema de brocas Densah™, causando osseonecrose durante a colocação do implante, devido à pressão?

R.: A resposta curta é NÃO - A necrose óssea por pressão não é uma preocupação com os altos valores de torque de inserção alcançados pela osseodensificação usando as Brocas Densah™. De fato, a literatura sustenta que valores de torque de inserção mais altos e ossos circundantes mais densos são uma combinação que aumenta a estabilidade primária e a cicatrização, e minimiza o micro-movimento do implante. [02] O termo osseonecrose por pressão (necrose por pressão óssea), embora usado com frequência, nunca foi claramente definido na literatura, exceto geralmente visto como compressão excessiva (pressão) do osso durante a inserção do implante, além de ser limitado a osso denso cortical. [03] A teoria é que altos valores de torque de inserção para colocação de implantes, acima de 40-45 Ncm podem criar isquemia de pressão e distúrbios da microcirculação para osteócitos, levando à reabsorção óssea. A compressão do osso além de seus limites fisiológicos pode resultar em isquemia levando à necrose óssea. [04-05] No entanto, não existem dados científicos para apoiar essas opiniões e esse fenômeno nunca foi comprovado cientificamente. Por outro lado, estudos clínicos histológicos controlados com humanos mostraram que o alto torque de inserção não induz a necrose óssea. Trisi et al. Demonstraram que a alta IT em osso denso não induz necrose óssea ou falha do implante. De fato, histologicamente, a alta IT aumentou o BIC inicial (contato osso-implante[Bone - Implant Contatct]) e promoveu a cicatrização e remodelação primária em 1-6 semanas, quando comparada a implantes com baixo IT implantado. Os implante colocados com 110 Ncm mostraram cicatrização óssea primária sem nenhuma queda em 3 semanas e 40% de remodelação óssea em 6 semanas. [06] O estudo clínico de Ottoni et al correlacionou a alta IT com aumento da taxa de sobrevivência de implantes de dentes unitários sob carga funcional. Ele concluiu que para cada 9,8 Ncm de torque adicionado; o risco de falha do implante foi reduzido em 20%. [7] Khayat et al, concluíram que o uso de alta IT até 176 Ncm não impediu ou inibiu a osseointegração. [08] Perren et al inseriram placas de compressão na tíbia de ovelhas e observaram que a pressão nos locais dos parafusos (de cerca de 40 MPa) não resultava em necrose de pressão, mas sim uma diminuição gradual na pressão devido à viscoelasticidade óssea. [09] A isquemia transitória pode ser um fator importante no início da consolidação da fratura. Foi observado que isquemia na tíbia de rato por 4,5 h causou proliferação periosteal em vez de morte óssea. [10] No verão, há um lento declínio gradual no estresse ósseo produzido na inserção do implante. Este declínio é resultado de: 1. Relaxamento viscoelástico do osso. 2. Remodelação normal por unidades multicelulares básicas, em que o osso pré-tensionado é substituído por osso novo através de remodelação interna, em vez de reabsorção da superfície. [11-12] Maior torque de inserção combinado com a osseodensificação aprimorada do local do implante é altamente desejado.

[02] Trisi, P., et al., Implant micromotion is related to peak insertion torque and bone density. Clin Oral Implants Res, 2009. 20(5): p. 467-71.

[03] Winwood, K., et al., The importance of the elastic and plastic components of strain in tensile and compressive fatigue of human cortical bone in relation to orthopaedic biomechanics. J Musculoskelet Neuronal Interact, 2006. 6(2): p. 134-41.

[04] Bashutski JD, D.S.N., Wang HL, Implant pressure necrosis: Current understanding and case report. J Periodontal 2009; 80:700-704., 2009(80): p. 700-704.

[05] Haider R, e.a., Histomorphometric analysis of bone healing after insertion of IMZ-1 implants independent of bone structure and drilling method. Stomatol, 1991(88): p. 507-521.

[06] Trisi, P., et al., High versus low implant insertion torque: a histologic, histomorphometric, and biomechanical study in the sheep mandible. Int J Oral Maxillofac Implants, 2011. 26(4): p. 837-49.

[07] Ottoni, J.M., et al., Correlation between placement torque and survival of single-tooth implants. Int J Oral Maxillofac Implants, 2005. 20(5): p. 769-76.

[08] Khayat PG1, A.H., Tourbah BI, Sennerby L., Clinical outcome of dental implants placed with high insertion torques (up to 176 Ncm). Clin Implant Dent Relat Res. , 2013. 15(2): p. 227-33.

[09] Perren, S.M., et al., The reaction of cortical bone to compression. Acta Orthop Scand Suppl, 1969. 125: p. 19-29.

[10] Svindland, A.D., et al., Periosteal response to transient ischemia. Histological studies on the rat tibia. Acta Orthop Scand, 1995. 66(5): p. 468-72.

[11] Halldin, A., et al., The effect of static bone strain on implant stability and bone remodeling. Bone, 2011. 49(4): p. 783-9.

[12] Perren, S.M., Evolution of the internal fixation of long bone fractures. The scientific basis of biological internal fixation: choosing a new balance between stability and biology. J Bone Joint Surg Br, 2002. 84(8): p. 1093-110.

© 2018 Versah Brasil - Todos os direitos reservados.